Empresária confessa ter recebido dinheiro para Eunício Oliveira

Mulher do marqueteiro da campanha do presidente do Congresso diz ter recebido recursos em 2014, quando o emedebista concorria ao governo do Ceará

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), é suspeito dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro em campanha de 2014, quando ele concorria ao governo do Ceará. De acordo com informações da revista Veja, as denúncias se baseiam em na delação de um ex-diretor da Hypermarcas, Nelson Mello, e no depoimento de uma empresária de Salvador, mulher do marqueteiro da campanha de Eunício em 2014.

Em vídeo obtido pela revista, Maurenizia Dias Andrade Alves, dona do Instituto Campus, diz ter recebido dinheiro sem prestação de serviços a pedido do marido, Paulo Alves. O montante teria sido repassado pela Hypermarcas e pela JBS, que já confessaram irregularidades ao Ministério Público, além da empresa cearense de biscoitos M. Dias Branco. A companhia foi alvo de operação de busca e apreensões da Polícia Federal no último dia 10.

“Independentemente dessas questões referentes à Hypermarcas, o Instituto Campus, em 2014, recebeu também 250 000 da empresa Dias Branco, 250 000 da empresa Corpvs Segurança e mais dois milhões de reais da empresa JBS (…) que não houve, até o momento, nenhuma prestação de serviço para qualquer dessas três empresas acima mencionadas e foram feitas apenas os recebimentos sem os serviços correspondentes. No caso das empresas Dias Branco e Corpvs, houve o recebimento e a emissão das notas fiscais, mas não a formalização de contrato”, afirma Maurenizia Dias na gravação.

A PF apura se a M. Dias Branco, assim como a Hypermarcas e a JBS, fizeram repasses ilegais à campanha de Eunício Oliveira em troca de favores no Congresso. A empresa doou oficialmente cerca de 400 mil reais, de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Procurado, Eunício diz que não irá se manifestar sobre um processo sobre o qual ele não tem conhecimento. A M. Dias Branco confirma que foi alvo de buscas e apreensões, diz que “tem colaborado com as autoridades”, mas e nega ter feito pagamentos ao Instituto Campus. Em nota, a Hypermarcas admite que houve buscas em seu escritório, em São Paulo, para coleta de “documentos relacionados à colaboração” de Nelson Mello. A companhia reafirma que não se beneficiou de “quaisquer atos praticados” pelo seu ex-executivo.

Notícias ao Minuto

| Você também pode enviar informações à redação do portal tvsertaodaparaiba.com.br pelo Whatsapp 83 98886 4599 ou 99166-4140.

Tags

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Fechar