Temer: ‘Muitas vezes aqui no Brasil nós temos um certo pessimismo’

Declaração foi feita durante cerimônia em São Paulo, onde presidente lançou a pedra fundamental de um projeto de energia no Centro Industrial Nuclear de Aramar

Em meio à volatilidade do mercado financeiro, com Banco Central tendo de intervir para conter a escalada do dólar, as incertezas eleitorais e repique da inflação, além da crise dos transportes de cargas que ainda ronda o governo, o presidente Michel Temer (MDB) afirmou nesta sexta-feira (8) que o Brasil precisa ter mais “otimismo”.

A declaração foi feita durante cerimônia em Iperó, no interior de São Paulo, onde Temer lançou a pedra fundamental de um projeto de energia no Centro Industrial Nuclear de Aramar. Ele disse que presidentes de outros países da América Latina têm “admiração” pelo Brasil.

“Precisamos ter o otimismo que eu encontrei recentemente na Cúpula das Américas, em Lima, no Peru, quando em contato com 12 ou 13 chefes de estado verifiquei a administração extraordinária que eles têm pelo nosso país. Um otimismo até quase exagerado”, afirmou.

O emedebista disse que foi interpelado por Mauricio Macri, presidente da Argentina.

“Ele me chamou de lado e perguntou: ‘como você conseguiu trazer o Brasil para uma inflação de 3%? Como você conseguiu fazer uma grande modernização trabalhista? Como você conseguiu fazer esse teto dos gastos públicos, reformular todo ensino médio do país? Lá [na Argentina] temos uma inflação de 25%, os juros a quase 40%’.”

“Eu disse, ‘presidente Macri, no Brasil nós temos como fundamento básico do governo a palavra diálogo. Nós temos diálogo não só com o Congresso, que nos dá muito apoio, mas com toda a sociedade'”, afirmou Temer.

O presidente ainda disse: “O interessante é que eu vi em todos esses líderes o otimismo e a admiração em relação ao nosso país. E muitas vezes aqui no Brasil nós temos um certo pessimismo.”

Reator nuclear

Temer fez, nesta sexta, o lançamento das obras para construção de um complexo para o Reator Multipropósito Brasileiro (RMB) e iniciou os testes de equipamentos do Laboratório de Geração de Energia Nucleoelétrica (Labgene), do programa nuclear da Marinha.

O reator, segundo o governo, dará autossuficiência ao Brasil na produção de insumos necessários para a fabricação de fármacos utilizados no tratamento de doenças cardíacas, oncológicas e neurológicas, entre outras.

Já o Labgene é um protótipo da planta para o futuro submarino com propulsão nuclear do Brasil.

O complexo do RMB será construído em área de 2,04 milhões de metros quadrados em Iperó. O terreno foi cedido pela Marinha do Brasil e pelo governo de São Paulo, conforme a instituição militar. O local reunirá, além do reator, todos os laboratórios necessários para seu funcionamento.

“Será o catalisador para um grande centro de pesquisa nacional de aplicação de radiação”, informou a Marinha em nota.

A produção de radioisótopos, insumos que hoje são importados, reduzirá o risco de desabastecimento e os custos de fabricação dos medicamentos no país, conforme o governo federal.

“Além de ganharmos essa autonomia, vamos poder ampliar o atendimento público de saúde, levando os benefícios desse projeto e da medicina nuclear para milhões de brasileiros”, afirmou Gilberto Kassab, ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Em março deste ano, o Ministério da Saúde firmou acordo com a Amazul (Amazônia Azul Tecnologias de Defesa) para aporte de R$ 750 milhões, até 2022, na implantação de parte do empreendimento.

O ministro Gilberto Occhi (Saúde) também participou da solenidade e disse que, em 2018, serão aplicados R$ 30 milhões (dos R$ 750 milhões previstos) no projeto. “Hoje, são realizados cerca de dois milhões de procedimentos médicos [entre eles diagnósticos de imagem] em mais de 900 centros de medicina nuclear no Brasil, públicos e privados. Com a operação do RMB vamos baratear os custos”, afirmou ele, sem mencionar os gastos atuais nessa área.

Submarino nuclear

O Labgene foi construído, de acordo com a Marinha, para reproduzir em terra os sistemas de propulsão que serão instalados no futuro Submarino Nuclear (SN-BR). O laboratório servirá também de base para outros projetos nucleares do Brasil, entre eles o de freio dinamométrico, um motor elétrico de propulsão, turbogeradores e reator.

Quando entrar em plena operação, diz o governo, o laboratório terá uma planta com 48 megawatts de potência térmica, o que é capaz de alimentar a propulsão do submarino, mas também é suficiente para iluminar uma cidade de aproximadamente 20 mil habitantes.

| Você também pode enviar informações à redação do portal tvsertaodaparaiba.com.br pelo Whatsapp 83 98886 4599 ou 99166-4140

 Folhapress.
Tags

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Fechar