Home Geral Caso Mércia Nakashima foi esclarecido por quem ninguém esperava

Caso Mércia Nakashima foi esclarecido por quem ninguém esperava

O sentimento de posse, que deriva de ciúmes doentios para a transformação da mulher em mero objeto, permeia o comportamento do homem brasileiro. E isso mesmo muito tempo depois que a tese jurídica de “defesa da honra”, perdeu por completo espaço nos tribunais. A velha história de que “se não for minha, não é mais de ninguém”, ainda domina corações e mentes dos brucutus que habitam as cavernas, outrora medievais, mas que insistem em ser contemporâneas.

A praga comportamental envolve personagens de todas as classes sociais na prática de crimes rotulados como passionais. Assim aconteceu com Mércia Nakashima, a jovem advogada de 28 anos, trucidada pelo ex-companheiro, Mizael Bispo de Souza, também advogado e ex-policial-militar. Ela não queria mais nada com ele, ex-sócio de escritório, que se julgou, então, no direito de aplicar a pena de morte. Engana-se, e muito, quem repete o mantra “fora dos autos, fora do mundo”, na ousada e ambiciosa pretensão de considerar que algo que não esteja dentro de um processo também não teria espaço no planeta. A vida humana está muito além das páginas redutoras de um processo.

Foi assim no caso Mércia: um episódio fora dos autos, porém decisivo, levou à localização do corpo da jovem desaparecida. Mesmo não sendo possível levar em consideração que não existe crime sem cadáver (vide, por exemplo, o ex-goleiro Bruno e Elisa Samudio, cujo corpo jamais foi encontrado), as provas ficam mais difíceis de serem obtidas. A moça saiu de uma casa da família, após costumeiro almoço, e desapareceu.

Mas ela saiu da casa informando que tinha recebido um telefonema de Mizael e iria encontrar-se com ele. O carro dela seria encontrado submerso na represa de Nazaré Paulista, ligada por uma estrada a Guarulhos, de onde Mércia sumiu.

Aqui começa uma grande história fora dos autos: um senhor pescador viu um carro sendo empurrado, do alto de um pequeno morro, para dentro da represa. Este homem é um japonês. O pai de Mércia também é japonês.

O pai da advogada procurou o pescador e entre os dois houve um diálogo tocante, de forte emoção: a conversa foi toda em japonês. Um japonês conversando com outro, terminando com uma súplica em tom amargo, silenciosamente desesperado: “por favor, me ajude a encontrar o corpo da minha filha”. O pedido foi recebido com uma dedicação ímpar. O pescador, que tinha o hábito noturno de lançar a vara com o anzol, iniciou a procura incessante. E dias depois localizou o corpo. Não foi a Polícia. Não foram os bombeiros. Foi o japonês comovido até a alma.

Mizael, o híbrido ex-policial e advogado, não imaginava que o carro de Mércia pudesse ser encontrado. Empurrado para dentro da represa, que ele conhecia muito bem, ficou a dez metros de um enorme buraco oculto. Desapareceria, se houvesse crime perfeito. Sumiria também o corpo, alvejado por dois tiros. Todas as suspeitas convergiram para ele, transformando-se circunstâncias indiciárias nas primeiras provas quando, na casa de Mizael, foram apreendidos sapatos do advogado, contendo o mesmo tipo de algas existente na represa. Mizael combinou com um vigia ir buscá-lo no local do crime, para trazê-lo de volta a Guarulhos. Condenado a 22 anos e 8 meses de prisão, Mizael negou enfaticamente a autoria, mas não convenceu a ninguém de que seu carro, um Kia modelo Sportage, foi localizado — comprometedor — perto da casa da família de Mércia. Mera coincidência? O vigia fugiu para o nordeste, onde foi localizado e preso. Elementar.

Mizael, arrogante e atrevido, desafiou a todos, até o delegado Antonio de Olim, que comandou as investigações. Só não conseguiu olhar nos olhos penetrantes e perturbadores do pai de Mércia. Como advogado, ele sabia que o Direito sempre foi a luta do mais fraco contra o covarde mais forte.

R7/ Percival de Souza

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Raquel Vianna
Carregar mais por Geral

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

GTE e agentes da Delegacia de Cajazeiras estouram Boca de Fumo nesse sábado

Policiais Civis do GTE e da Delegacia de Cajazeiras prenderam na manhã desse sábado (23) p…