Home Esportes Idolatria, emoção e agradecimentos: Após mais de 1 ano, Jefferson tem volta triunfal

Idolatria, emoção e agradecimentos: Após mais de 1 ano, Jefferson tem volta triunfal

O empate em 1 a 1 entre Botafogo e Atlético-MG, na noite deste domingo, pelo Campeonato Brasileiro, no Estádio Nilton Santos, ficou em segundo plano, pelo menos para os torcedores do Alvinegro carioca. Depois de mais de um ano sem ver uma atuação do ídolo Jefferson, eles puderam matar a saudade e voltaram para casa com o sentimento de vitória.

Com a ausência de Gatito, que sofreu um corte no joelho diante do Nacional-URU e acabou poupado, Jefferson ganhou a chance de começar jogando. O longo período afastado de jogos oficiais trouxe uma certa desconfiança em relação ao rendimento do goleiro, mas ele fez questão de acabar com isso em apenas uma partida.

  • Fico feliz por voltar bem e pegar grandes bolas. Depois de um ano sem jogar, voltei leve. Foram cirurgias desconhecidas de algumas pessoas… Muitas pessoas assistiram o jogo para ver se o Jefferson voltaria bem. Estou 100%. A sensação é de estreia no futebol.

Logo quando o time entrou em campo, os olhares se voltaram para o ídolo, que puxou o Botafogo e mostrou claramente sua condição de líder. Com a bola rolando, ele brilhou! A primeira defesa veio aos nove minutos. Robinho fez bela jogada e tocou para Marlone na entrada da área. O atleticano bateu forte, e Jefferson pulou para espalmar. Três minutos depois, foi a vez de Elias parar no goleiro.

Momentos depois, veio o gol do Atlético-MG, mas ele não teve culpa. O chute de Marlone desviou na cabeça do zagueiro Emerson Silva e o enganou.

Salvou o Botafogo no segundo tempo

O momento mais marcante do jogo ocorreu aos dois minutos do segundo tempo, quando o Galo teve a chance de aumentar de pênalti. Rafael Moura cobrou no canto direito, e Jefferson pulou para defender. Delírio dos torcedores no Nilton Santos.

Antes do fim do jogo, ele ainda foi responsável por duas defesas cara a cara, uma com Iago e a outra com Robinho, que entrou sozinho, escolheu o canto, mas parou na mão de Jefferson.

  • Os jogadores até falaram comigo depois, sobre como eu tinha conseguido pegar aquela bola, principalmente vindo de um cara como o Robinho. Além do pênalti, essa defesa marcou bastante – disse o goleiro.

Curiosamente, foi de pênalti o empate do Botafogo. Roger bateu, Victor defendeu, mas o atacante marcou no rebote. No fim do jogo, Jefferson foi abraçado pelo goleiro reserva Helton e pelo preparador Flávio Tênius, que revelou o sentimento do jogador no vestiário.

  • O conheço desde a época do Cruzeiro, com 19 anos. Jogando na equipe profissional ganhamos três títulos… Minha história com ele é longa. Depois que a recuperação na segunda cirurgia estava indo bem, a dor sumindo, deu uma tranquilidade. Pedi calma antes do jogo, pois ele não precisava mostrar nada para ninguém. No vestiário todo mundo ficou feliz, ele agradeceu às pessoas que o ajudaram. O Jefferson é muito grato com ao pessoal da fisioterapia, da preparação física.

Ao sair de campo, não poderia ser diferente. Jefferson foi reverenciado pelos torcedores e agradeceu o carinho vindo das arquibancadas. O ídolo está de volta. Bom para o Botafogo e também para o futebol.

Globo Esporte