Home Geral TRF-4 não deve decidir sobre Lula em menos de um ano, dizem advogados

TRF-4 não deve decidir sobre Lula em menos de um ano, dizem advogados

Caberá ao TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) julgar o recurso de apelação criminal da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), condenado, nesta quarta-feira (12), a nove anos e seis meses de prisão em regime fechado, em decisão do juiz Sergio Moro.

O caso na corte, com sede em Porto Alegre, não deverá ser resolvido em menos de um ano, de acordo com a análise de advogados criminalistas ouvidos pelo UOL.

“É uma nova fase do processo. Há um nível de assoberbamento de processos no tribunal. E a estimativa com que se trabalha hoje é que não seja em menos de um ano para esse julgamento da apelação ser realizado”, diz o criminalista Fernando Castelo Branco, coordenador da pós-graduação em direito penal econômico da Faculdade de Direito do IDP-SP (Instituto de Direito Público de São Paulo).

“Não existe um prazo definido pela lei para o julgamento do recurso de apelação”, afirma o advogado e professor de direito penal Leonardo Pantaleão. “Eu acho que esse prazo de um ano é perfeitamente razoável. Não há necessidade de pressa. O processo tem que ser julgado como os demais, com total isenção.”

Na apelação criminal em que absolveu o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, os desembargadores da 8ª turma do TRF-4 demoraram um ano e cinco meses para chegar a uma decisão no processo. O processo foi iniciado na segunda instância em 19 de janeiro de 2016 e o julgamento foi realizado no último dia 27 de junho.

Lula foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro pela acusação de ter sido beneficiado com um tríplex em um condomínio em Guarujá (SP). Moro acatou a denúncia do MPF (Ministério Público Federal), segundo a qual o ex-presidente teria recebido propina por conta de três contratos firmados entre a empreiteira OAS e a Petrobras, entre 2006 e 2012.

Leia abaixo sobre os próximos passos deste caso judicial.
1) Lula será preso agora?

Não. Ao condenar Lula, o juiz Sergio Moro afirmou que “até se caberia cogitar a prisão preventiva” do petista, mas que a prisão cautelar de um ex-presidente da República “não deixa de envolver certos traumas”, então “a prudência recomenda que se aguarde o julgamento pela Corte de Apelação antes de se extrair as consequências próprias da condenação”.

Dessa maneira, Lula recorrerá da sentença em liberdade.
2) Quais tipos de recursos a defesa pode utilizar ainda na primeira instância?

A defesa de Lula tem dois dias a partir da publicação da sentença para entrar com um tipo de recurso chamado de embargo de declaração.

“Este tipo de recurso não tem caráter de mudar o conteúdo da sentença de Sergio Moro. Esse recurso serve para esclarecer pontos obscuros, contraditórios ou eventuais omissões no texto da decisão”, diz o advogado Leonardo Pantaleão.

Moro não tem prazo para julgar esse tipo de recurso.
3) A defesa pode apelar para mudar a sentença de Moro em que instância?

A defesa pode entrar com um recurso chamado apelação criminal no TRF-4(Tribunal Regional Federal da 4ª Região). Provavelmente, o caso será analisado por um dos três desembargadores da 8ª Turma desta corte, que tem julgado recursos relacionados à ação penal do caso do tríplex do Guarujá (SP) e outros casos da Operação Lava Jato.

O MPF também pode entrar com recurso, se considerar que a pena aplicada ao ex-presidente deva ser aumentada, por exemplo. Nesta quarta-feira (12), o MPF-PR já disse que vai recorrer para pedir penas maiores.

“Nesta fase do processo, não há produção de provas ou tomada de depoimentos de novas testemunhas. “Apenas exame do já produzido e das razões e contrarrazões de apelação das partes”, explica o criminalista Daniel Bialski.

“Além disso, no dia do julgamento, haverá sustentação oral da acusação e da defesa –15 minutos para cada uma– e, depois, os desembargadores proferem seus votos, já que previamente deverão estudar o caso.”
4) Em quanto tempo o TRF-4 deverá julgar o recurso da defesa de Lula?

Não há prazo para julgar a apelação criminal. Advogados ouvidos pelo UOL afirmam que o caso não deverá ser julgado pelo TRF-4 em menos de um ano.

Publicada em maio, reportagem do jornal “O Estado de S. Paulo” mostrou que o TRF-4 demorou até 21 meses para julgar recursos dos casos da Operação Lava Jato. Porém, não há um padrão. Houve casos, em que o tribunal demorou menos de cinco meses para julgar um recurso.
5) Lula pode ser preso se condenado em segunda instância?

Depende do entendimento dos desembargadores do TRF-4. Se eles confirmarem a sentença do Moro, eles podem decidir se Lula deve começar a cumprir a sentença em regime fechado, mesmo que haja possibilidade de recursos em instâncias superiores: no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e STF (Supremo Tribunal Federal).

“Os tribunais têm aplicado a prisão após a sentença em segunda instância. Mas esta decisão não é obrigatória”, diz o criminalista Leonardo Pantaleão.
6) Lula é ficha-suja?

Não. Segundo a Lei da Ficha Limpa, um político só é impedido de disputar um cargo eletivo se ele tiver uma condenação por um órgão colegiado. No caso, Lula, em teoria, só ficaria inelegível se juntos os desembargadores do TRF-4 votarem e prevalecer o entendimento de que ele de fato praticou os crimes.

Se até 15 de agosto do próximo ano, que é a data limite para o registro das candidaturas no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o TRF-4 não tiver decidido se Lula é ou não culpado dos crimes, ele poderá se candidatar e disputar as eleições normalmente.
7) Recursos a organismos internacionais têm influência no processo?

Não. “Petições feitas a organismos internacionais têm de provar violações dos direitos de defesa, por exemplo. Além do mais, só cabem esses recursos a tribunais internacionais quando os recursos estão esgotados na Justiça brasileira”, afirma o advogado criminalista e constitucional Adib Abdouni.

“No final, essas petições têm mais relação com a política do que com o aspecto jurídico do caso. Elas não têm efeito prático”, acrescenta.

UOL

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Emily Pereira Sinézio
Carregar mais em Geral

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Além disso, verifique

Polícia prende suspeito, recupera veículo e apreende arma

Policiais militares da Força Tática e Radiopatrulha do 1º Batalhão prenderam em flagrante …