Home Economia União perde em tributos mais da metade do que gasta em infraestrutura

União perde em tributos mais da metade do que gasta em infraestrutura

No total, o governo investiu diretamente R$ 49,305 bilhões em infraestrutura em 2016 e gastou outros R$ 25,219 indiretamente, em desonerações.

renúncias em infraestrutura – Gastos diretos e o que se deixa de arrecadar, em 2016, em R$ bilhões

DEDUÇÕES DO IR

Apesar de proporcionalmente alto em relação aos gastos diretos, o gasto tributário total da área de infraestrutura é inferior ao de funções sociais, como saúde (R$ 34 bilhões) e trabalho (R$ 40 bilhões) naquele ano.

Apenas na dedução de despesas médicas no IR de pessoas físicas, gastaram-se R$ 12 bilhões -quase o dobro do destinado a aquisições de remédios.

A desoneração da folha de pagamento das empresas consumiu R$ 14,6 bilhões, ou pouco mais de um terço dos gastos indiretos em trabalho.

Em termos proporcionais, o gasto tributário nas áreas sociais representa pouco mais de um quarto dos gastos diretos: R$ 102,39 bilhões e R$ 387,662 bilhões, respectivamente.

Em ciência e tecnologia, o segundo setor com mais “gastos indiretos” da área de infraestrutura, o maior item (56%) foi a isenção do IPI para empresas de desenvolvimento ou produção de bens e serviços de informática e automação dos gastos: R$ 5,1 bilhões.

TRANSPORTE LIDERA

Desde 2007, quando começa a série de dados da IFI, os gastos diretos com infraestrutura têm se mantido em um patamar de 4% do gasto público federal.

Os R$ 49,305 bilhões destinados à rubrica representaram 0,8% do PIB (Produto Interno Bruto, medida de produção e renda do país), patamar semelhante ao de 2008 e 20% abaixo dos níveis de 1% apresentados de 2011 a 2015.Transporte é a área que concentra a maior fatia dos gastos diretos, com 37,7% -os principais programas são construção de estradas federais pelo Dnit, e financiamentos no Fundo da Marinha Mercante.

Destinados a ampliar e modernizar a frota mercante brasileira, os empréstimos do FMM atingiram R$ 6,5 bilhões em 2012, mas recuou a R$ 3,6 bilhões em 2016.

MINHA CASA CAI

O programa Minha Casa, Minha Vida, que a IFI classifica como da área de habitação, também apresentou forte queda, de R$ 23 bilhões em 2015 para R$ 8,2 bilhões em 2016.

Neste ano, até agosto, os gastos com o programa não chegavam a R$ 2 bilhões, o que deve indicar nova redução em 2017.

• Encontre as notícias que estão movimentando as redes sociais em um só lugar, de um jeito fácil e com credibilidade. Acesse: tvsertaodaparaiba.com.br

 Com informações da Folhapress.
Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Emily
Carregar mais por Economia

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

PLANTÃO: Mais uma tentativa de homicídio e registrado na cidade de Cajazeiras. Confira fotos!

Uma tentativa de homicídio foi registrada na tarde deste sábado (21) no Bairro das Capoeir…